Name:
Location: Cranbrook, Colômbia Britânica, Canada

Helder Fernando de Pinto Correia Ponte, também conhecido por Xinguila nos seus anos de juventude em Luanda, Angola, nasceu em Maquela do Zombo, Uíge, Angola, em 1950. Viveu a sua meninice na Roça Novo Fratel (Serra da Canda) e na Vila da Damba (Uíge), e a sua juventude em Luanda e Cabinda. Frequentou os liceus Paulo Dias de Novais e Salvador Correia, e o Curso Superior de Economia da Universidade de Luanda. Cumpriu serviço militar como oficial miliciano do Serviço de Intendência (logística) do Exército Português em Luanda e Cabinda. Deixou Angola em Novembro de 1975 e emigrou para o Canadá em 1977, onde vive com a sua esposa Estela (Princesa do Huambo) e filho Marco Alexandre. É gestor de um grupo de empresas de propriedade dos Índios Kootenay, na Colômbia Britânica, no sopé oeste das Montanhas Rochosas Canadianas. Gosta da leitura e do estudo, e adora escrever sobre a História de Angola, de África e do Atlântico Sul, com ênfase na Escravatura, sobre os quais tem uma biblioteca pessoal extensa.

Monday, May 29, 2006

4.0 Sumário do Capítulo



Como disse na minha mensagem de boas vindas a esta Viagem Pela História de Angola, acredito que quanto mais soubermos acerca de "História" e de "Angola", mais havemos de apreciar a História de Angola.

Assim, antes de começarmos própriamente a nossa Viagem Pela História de Angola vamos cobrir neste capítulo em certo detalhe o que compreendemos por "História", e nos próximos dois vamos focar a nossa atenção em "Angola", através duma breve monografia e de uma resenha dos seus povos.

Penso que é útil cobrir alguns conceitos fundamentais de história, a evolução da história como campo de conhecimento e ciência, do processo histórico, algumas teorias da história importantes, e uma breve referência à filosofia da história. Cobrimos ainda um número de conceitos-chave de algumas ciências sociais e a vida do homem em sociedade.

Para além destes conceitos, julgo também benéfica uma digressão breve sobre o estudo da história de África, e das relações entre a economia política e a história, no que respeita à pobreza e ao subdesenvolvimento acentuado dos povos africanos a sul do Sahara comparados com a afluência dos povos da Europa e da América do Norte.

É evidente a minha apologia da História de Angola como fonte de conhecimento necessária para propriamente enquadrar Angola no contexto mundial. Apesar de hoje pobres e esquecidos, os povos de Angola deram uma grande contribuição para a construção do mundo em que hoje vivemos. Essa contribuição não foi voluntária, foi forçada e tomou a forma de uma diáspora de cerca de seis milhões de homens, mulheres e crianças para as Américas, onde o fruto do seu trabalho escravo deu origem, construiu e sustentou por mais de três séculos as economias emergentes da Europa e das Américas, que em última análise o são a base do sistema económico global em que hoje vivemos.

Por favor nota que este capítulo é longo e não constitui leitura essencial para quem apenas deseja uma perspectiva superficial da História de Angola. Por outro lado, se quiseres aprofundar um pouco a tua análise, recomendo a sua leitura. Julgo útil este investimento em tempo e atenção, pois vai-nos ajudar muito a melhor entendermos a aliciante História de Angola.

1 Comments:

Blogger MAH-TRETAS said...

De vários blog,s a falar sobre Angola que tenho visitado ,sem duvida este é o que me fascinou mais pelo facto de abordar com uma superior qualidade literária, irei acompanhando todas as postagens.
Sobre Angola o que sabia foi de dois anos no Leste de Angola cumprindo o serviço militar nos anos69/71.
Grato pela partilha do seu trabalho


Henriques

9:30 AM  

Post a Comment

<< Home